ÁRVORES DA CAATINGA - JUCÁ

 

O Jucá é uma árvore mediana originária do Nordeste do Brasil. Presente em nove estados da Região, a espécie Caesalpinia férrea é muito comum, também, na Amazônia. De caule liso e castanho com manchas esbranquiçadas pode chegar até 15 metros de altura e cerca de 40 a 60 centímetros de diâmetro de tronco. 

 
Importante abrigo para as aves e outros animais silvestres, o Jucá não apresenta a característica caducifólia, ou seja, no período seco, não perde suas folhas por completo, como outras espécies da Caatinga. Caducifólias são as plantas que numa certa estação do ano, perdem suas folhas, como forma de estocar água. 
 
Também chamada de Pau-ferro devido à alta densidade e resistência de sua madeira, o Jucá era utilizado pelos índios para fabricação de tacapes, especialmente para usar como arma contra os prisioneiros. Daí o nome Jucá, o mesmo que prisioneiro na língua tupi, primeiro idioma encontrado pelos portugueses no Brasil.
 
Considerada “pau-pra-toda-obra” o Jucá é utilizado na construção civil e naval, na confecção de caibros, eixos, vigas, mourões, portas e mobiliário fino, na medicina popular. O chá da casca serve para infecções bronco pulmonares e diabetes (o chá sem açúcar). A tintura das vagens serve para contusões e cólicas intestinais. 
As flores são usadas na produção de mel e as folhas na alimentação de caprinos e ovinos. A planta possui ainda, propriedades que permite ser usada na produção de álcool combustível.
 
A Associação Caatinga, através do Projeto “No Clima da Caatinga”, produz espécies nativas para ações de recuperação de áreas degradadas. Mudas de jucá e de outras 21 espécies estão sendo produzidas para ações de restauração florestal em Crateús, no entorno da Reserva Natural Serra das Almas. Esse projeto é patrocinado pela Petrobras, através do Programa Petrobras Ambiental.
 
 

 

RealizaçãoPatrocínio