O Projeto No Clima da Caatinga

Biodiversidade e Sociodiversidade,
Floresta, Clima e Água


O Projeto No Clima da Caatinga é realizado pela Associação Caatinga e patrocinado pela Petrobras e Governo Federal por meio do Programa Petrobras Socioambiental.

As ações acontecem nos municípios de Crateús\CE e Buriti dos Montes\PI, em áreas do entorno da Reserva Natural Serra das Almas e na cidade de Fortaleza.

Eixo de ações desenvolvidas:


Prevenção e conservação

Uso inteligente dos recursos naturais

Educação e comunicação

O projeto possui três linhas de atuação prioritárias: biodiversidade e sociodiversidade, floresta e clima, e água. As ações serão desenvolvidas nos seguintes eixos:

a) prevenção e conservação; b) uso inteligente dos recursos naturais e c) educação e comunicação,

e estarão voltadas aos seguintes temas:

conservação dos recursos hídricos e segurança hídrica, mudanças climáticas, benefícios da conservação das florestas (valor da floresta em pé), enfrentamento da degradação ambiental, adaptação às mudanças do clima, benefícios do combate ao aquecimento global, manejo adequado dos recursos naturais da Caatinga, geração de renda como meio para promover a conservação das florestas, conservação do tatu-bola, manutenção de serviços ambientais e qualidade de vida.

O projeto na sua Fase III irá ampliar a área geográfica de atuação envolvendo novas comunidades no município de Buriti dos Montes/Piauí. Nesta fase de expansão, o tatu-bola, espécie ameaçada que ocorre na área do projeto, desempenhará um papel estratégico na mobilização das comunidades e da sociedade em geral, transformando-se na espécie bandeira do projeto e no símbolo da luta pela preservação da Caatinga, seu habitat natural. Ele será beneficiado pelas ações de conservação, disseminação de tecnologias sustentáveis e educação ambiental do projeto que deverão contribuir diretamente para a redução da pressão degradadora sobre o ambiente. O tatu-bola também funcionará como porta-voz das ações de comunicação do projeto.

O projeto deverá aliar atividades de conservação e uso sustentável de recursos naturais à geração de renda como parte da estratégia de conservação para agricultores familiares do semiárido e buscará fortalecer atividades com potencial de geração de renda, atreladas a conservação, desenvolvidas na Fase I e II. Irá implementar ações de adaptação das comunidades locais às mudanças do clima como também fortalecer a relação existente entre a conservação e uso sustentável dos recursos naturais e a manutenção de serviços ambientais e o incremento na qualidade de vida das populações. O projeto também reforçará o valor da floresta preservada (“em pé”) em contraste ao desmatamento e a utilização irracional de recursos madeireiros na forma de lenha e carvão fortalecendo o conceito que o manejo sustentável dos recursos naturais da floresta traz maiores benefícios e retorno para as comunidades.

O projeto fornecerá assistência técnica contínua no uso e monitoramento do impacto das tecnologias sustentáveis disseminadas pelo projeto nas Fases I e II nas comunidades participantes e também irá assegurar o uso sustentável através da capacitação de moradores em coleta e manejo de sementes nativas, promovendo a preservação das florestas.

O NCCIII irá realizar oficinas de disseminação de tecnologias sustentáveis nestas comunidades e irá identificar potenciais parceiros para a apropriação das tecnologias: forno solar, cisternas de placas e fogões ecoeficientes entre outras. Será verificado com cada unidade, o interesse e disponibilidade da mesma em colaborar como parceira na implantação destas tecnologias. O projeto fornecerá capacitação e assistência técnica durante todo o processo, desde a instalação até o uso e manutenção da tecnologia instalada. O projeto e a unidade também irão escolher conjuntamente uma escola ou comunidade localizada no entorno para o desenvolvimento das ações de educação ambiental do projeto incluindo oficinas, palestras e atividades abordando os seguintes temas: Caatinga, conservação ambiental, biodiversidade, serviços ambientais, valor da floresta em pé, mudanças climáticas, segurança hídrica, proteção do tatu-bola, benefícios do combate ao aquecimento global, manutenção de serviços ambientais e sua relação com qualidade de vida. O projeto também desenvolverá ações de educação ambiental com o público interno (colaboradores) de cada unidade. O escopo, temática e formato destas ações de educação ambiental serão definidas conjuntamente.